Central de Comunicação //

29/05/2018

Preços de suíno vivo se mantiveram estáveis nesta semana

Por Suinocultura Industrial

A semana do mercado de carne suína começou com uma boa notícia: a Seara anunciou, na segunda-feira (21), o embarque de 50 toneladas de carnes de porco para a Coreia do Sul, que havia aberto o mercado para o produto brasileiro na semana passada. O decorrer da semana, contudo, trouxe desalento ao setor.

A greve dos caminhoneiros iniciada também na segunda-feira levou praticamente todas as grandes cooperativas a anunciar o fim do abate de animais. Dentre elas, Aurora, Frimesa e Allegra. Em nota, a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) aponta que a greve atinge ainda mais o setor que “já passa por um ano econômico difícil”.

A situação dos preços, contudo, ainda não sofreu grandes reflexos e continua em patamares baixos, avaliou o Cepea e a Scot Consultoria nesta semana. Os preços da Bolsa de Suínos divulgados pelas principais associações do setor também são praticamente os mesmos dos verificados na semana anterior. A exceção é Minas Gerais.

 O valor do suíno vivo subiu 3% nesta semana, de acordo com a Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg). “O mercado de suínos desta semana está bastante demandado, servindo de base para a primeira alta relevante do ano. O incremento no valor de negociação do quilo do suíno vivo de quarta para esta quinta-feira foi uma grande vitória para nós produtores”, disse o suinocultor do Sul de Minas e diretor da Asemg, Roberto Coelho.

Houve aumento no preço do suíno vivo também no Paraná, conforme dados da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS). Neste caso, o quilo do suíno vivo passou de R$ 3,10 para R$ 3,20. Confira aqui todos os preços desta semana.

Veja também